quarta-feira, 19 de abril de 2017

JEREMIAS – O MESSIAS PROMETIDO

CRISTO NA BÍBLIA (Pr. Eudes) JEREMIAS – O MESSIAS PROMETIDO Jeremias é o menos cristológico dos profetas maiores. Esse longo livro (cinquenta e dois capítulos) fala sobre as advertências de Deus ao reino de Judá pelo fato dele ter se rendido à idolatria e abandonado a Deus. O livro também relata sobre a queda de Jerusalém sob os caldeus e o cativeiro babilônico. Somente dois textos falam diretamente do Messias: Jr 23.5,6 e Jr 33.14-17. Ambos referem-se ao Messias como o “Renovo de justiça” que reinará no trono de Davi e executará julgamento e justiça na terra. Ambos enfatizam a “justiça” do seu povo e do seu reino, num contraste perfeito com o povo e os líderes a quem Jeremias ministrava. No capítulo 23 está escrito que o seu nome será “Senhor Justiça Nossa” e no capítulo 33, que Jerusalém “será chamada: Senhor, Justiça Nossa”. A sua justiça será a justiça do povo. Quanto à Cristo como justiça nossa, é importante entender que o pecado do homem levou Deus a puni-lo com a morte, mas a Bíblia nos revela que Deus enviou o seu Filho amado a este mundo para morrer na cruz pelos pecados dos homens. Ao morrer na cruz, Jesus satisfez plenamente a justiça divina que exigia a punição do pecador, levando sobre Si mesmo os pecados deles. Paulo nos diz que Jesus é a nossa justiça. “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção” 1 Co 1.30. Ao levar sobre Si os pecados dos homens, Jesus tornou-se o justificador deles diante de Deus, daqueles que têm fé em Cristo. “ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus” Rm 3.25,26. A profecia de Jeremias quanto ao renovo de justiça cumpre-se totalmente na obra realizada por Cristo na cruz. Pr. Eudes Lopes Cavalcanti

Nenhum comentário: